Return to site

Como os programas genéricos de treinamento físico estão te deixando para trás

Conheça uma nova forma revolucionária de treinar

Você vai à academia e treina duro por uma hora algumas vezes por semana. Você está seguindo um programa há algum tempo e está obtendo bons resultados, mas acha que eles poderiam ser melhores. Isso parece familiar?

Estamos todos ocupados. No mundo super corrido de hoje, há uma grande quantidade de diferentes de tarefas e demandas nos puxando para todo lugar; às vezes é difícil chegar até a academia. Quando o tempo é curto, não podemos desperdiçá-lo fazendo programas de exercícios que não estão dando o resultado que você quer.
 

Aqui está um segredo - a teoria do treinamento não sabe o número ideal de repetições para você. A maioria dos programas de força vai dizer para você, em qualquer lugar, levantar pesos entre 6 e 15 repetições. Bem, e o que é isso? Você deve fazer 6 repetições ou 15?

Aqui está um segredo - a teoria do treinamento não sabe o número ideal de repetições para você.

Sabemos que conseguir motivação para treinar pode ser difícil. Se você não conseguir os resultados desejados, ficará desiludido e poderá desistir completamente da academia. Mas se desmotivar pode te deixar cada vez mais longe dos seus objetivos e até comprometer sua saúde a longo prazo. Nossa missão é impedir que isso aconteça. Queremos que você seja capaz de atingir seus objetivos, sejam eles quais forem.

E a melhor maneira de fazer isso é treinar de acordo com seus genes. Se você está seguindo um programa de treinamento genérico, isso não leva em conta sua composição genética e, portanto, você não sabe se terá sucesso.

Conheça o gene ACTN3

Vamos ver apenas um gene em nosso painel: ACTN3. Este gene desempenha um papel na determinação de quantas fibras musculares de contração rápida você tem, bem como quais as melhorias em força e potência muscular estão disponíveis para você. O ACTN3 cria uma proteína, chamada alfa-actinina-3, que é encontrada nas fibras musculares de contração rápida. Se você tem o genótipo CC ou CT, você produz alfa-actinina-3, o que significa que é mais provável que você tenha melhora favorável de força aderindo a um programa de treinamento com levantamento de pesos.

Se você tem o genótipo TT, você não pode produzir alfa-actinina-3 - o que geralmente significa que você terá menos fibras musculares de contração rápida, e assim verá melhorias menores na força em resposta a um programa de treinamento intenso com levantamento de pesos.

Isso foi mostrado em um estudo de 2007 que analisou melhorias em um programa de treinamento de força em um grupo de homens idosos. Antes do início do programa de treinamento, não havia diferença no pico de potência muscular entre as pessoas com diferentes genótipos do gene ACTN3. No entanto, após 10 semanas de acompanhamento do mesmo programa de treinamento, aqueles com o genótipo CC tiveram melhoras muito maiores no pico de potência do que aqueles com o genótipo TT.

Uma nova forma de treinar

ACTN3 é apenas um dos 15 genes diferentes que analisamos para dar uma idéia do melhor tipo de treinamento para você. Analisamos quais versões (ou genótipos) desses genes você possui e fornecemos uma pontuação para potência e resistência como uma porcentagem.

Essa porcentagem fornece uma visão do melhor tipo de treinamento ideal para você e quanto tempo você deve gastar em cada tipo de exercício (potência ou resistência). Nós classificamos o treinamento de potência como de alta intensidade - por exemplo, levantando pesos pesados ​​na academia (como 7 séries de 3 repetições), ou treinamento intervalado de alta intensidade para o seu cardio.

Classificamos o treinamento de resistência como intensidade moderada, trabalho de alto volume, como levantar um peso moderado para um número elevado de repetições (pense em três séries de 15 repetições) ou um exercício de resistência de longa duração. Logo, seu perfil de potência e resistência (e a porcentagem de cada um) orienta quanto tempo você deve gastar em cada um desses tipos de exercícios.

Por exemplo, alguém com uma divisão de 70% de potência e 30% de resistência gastaria 70% de seu tempo em um treinamento baseado em potência e 30% em treinamento baseado em resistência.

Esta é uma maneira nova e revolucionária de treinar (e você pode ficar cético no início). Para isso foi criado um algoritmo exclusivo DNAFit a partir de pesquisa própria (publicada em revista científica, sendo revisada por pares) para mostrar que o uso do teste realmente traz resultados concretos.

Comprovado cientificamente

Nesta pesquisa foram recrutados esportistas, e o teste DNAFit foi realizado em todos eles. Assim que os resultados foram obtidos, esses atletas foram divididos em dois grupos: no primeiro grupo foram realizados treinamentos de acordo com o resultado do exame de DNA (treino geneticamente compatível); no segundo grupo, as pessoas treinaram em desacordo com seu perfil de DNA (treino geneticamente incompatível). Por exemplo: se o atleta tinha uma pontuação de potência muscular acima de 50%, ele poderia ser colocado no grupo de treinamento de potência (geneticamente compatível) ou no grupo de treinamento de resistência (geneticamente incompatível). Todos os indivíduos fizeram testes de potência e de resistência antes e após a conclusão do programa de treinamento, que durou oito semanas.

Primeiro, a boa notícia: ambos os grupos melhoraram com o exercício, 5% no teste de potência e 3% no teste de resistência, na média geral. De qualquer forma, fazer exercícios pode levar a melhorias - não é um completo desperdício de tempo!

Mas, em seguida, fomos um passo além e observamos o que aconteceu com aqueles que fizeram treinamento geneticamente compatível, em comparação com aqueles que fizeram treinamento geneticamente incompatível. Os atletas que fizeram treinamento geneticamente incompatível tiveram melhorias menores do que a média: apenas 3% no teste de potência e 2% no teste de resistência.

O que nos leva às melhores notícias - aqueles que fazem o treinamento geneticamente compatível tiveram melhorias significativamente maiores. Eles melhoraram em 6% no teste de potência e 4% no teste de resistência.

Conclusão

A conclusão que você deve guardar a partir deste estudo é que todos melhoram com o exercício, mas aqueles que fazem um treinamento geneticamente compatível tiveram duas vezes mais melhorias. Isso pode ter implicações profundas no tipo de treinamento que você faz para maximizar seu tempo de treinamento e atingir suas metas.

É isso que você está buscando? Então entre no site e invista no teste que vai mudar seus resultados:

Ou se você é médico, nutricionista, ou educador físico, saiba mais sobre nosso programa de parceria:

All Posts
×

Almost done…

We just sent you an email. Please click the link in the email to confirm your subscription!

OKSubscriptions powered by Strikingly